Em marcha lenta

Cortes de juros são sempre bem-vindos. Pena que a oitava queda seguida da taxa básica, decidida ontem pelo Banco Central, seja o reflexo mais evidente das dificuldades que o governo Dilma Rousseff tem tido para impedir que a economia do país desabe de vez. Agora, até o varejo já está desacelerando.
A Selic caiu ontem para 8% ao ano, seu menor patamar histórico. Em termos reais, ou seja, descontando-se a inflação, o juro brasileiro está próximo de 2,3% – ainda assim, o terceiro maior do mundo, atrás apenas de China (3,7%) e Rússia (3,5%).
A previsão dominante é de que os juros brasileiros devem baixar ainda mais para tentar reanimar a nossa moribunda economia. Neste aspecto, a presidente poderá dizer que cumpriu o que prometeu: levou a taxa a pisos impensáveis pouco tempo atrás. Infelizmente, a Selic só cai porque o Brasil está metido num círculo vicioso.
Nesta manhã, o Banco Central divulgou o PIB de maio. O resultado é uma queda de 0,02% sobre abril. Em três meses deste ano e em oito dos 17 primeiros meses da gestão Dilma, o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) recuou. Nos últimos 12 meses, a economia brasileira cresceu só 1,39%, segundo o levantamento do BC, que funciona como prévia da estimativa oficial do IBGE.
O mais desagradável é que a marcha lenta, que antes era mais concentrada na indústria, vai se espalhando pelos demais setores. A agricultura vai bastante mal neste ano, menos por culpa do governo, mais por causa de São Pedro, que foi inclemente com a falta de chuva. O campo deixou de ser, pelo menos por ora, um dos motores que sustentava o nosso crescimento.
Agora é a vez de o comércio também ratear. Desde a eclosão da crise, em 2008, o incentivo ao consumo tem sido a mola mestra da economia petista. Funcionou por um tempo, mas enferrujou de uns meses para cá. Dois indicadores divulgados ontem deixam isso muito claro.
O mais relevante foi a queda de 0,8% nas vendas de varejo em maio. É o pior resultado desde novembro de 2008, isto é, desde o auge do paradeiro que se seguiu à quebra do banco americano Lehman Brothers. Caíram, principalmente, as vendas de alimentos, eletrodomésticos e material de construção.
Não é possível dizer, ainda, se se trata de ponto fora da curva virtuosa do comércio ou se já é o começo da descida ladeira abaixo. Mas crescem os sinais de que o modelo petista – se é que pode ser chamado assim – esgotou-se. Até porque o consumidor encontra-se com a corda no pescoço e quer distância de novas dívidas.
Segundo pesquisa da Serasa Experian divulgada ontem, a inadimplência do consumidor cresceu 19% no semestre. A renda, de acordo com análise feita pela entidade, está comprometida com dívidas caras (cheque especial e rotativo do cartão de crédito) e altas (veículos e imobiliárias). É uma situação que periga rumar para o descontrole. O nó apertou.
Não se sabe como o governo federal irá reagir à nova realidade. Nos últimos anos, com Lula e depois com Dilma, executou um samba de uma nota só, que agora está claramente desafinado. Atacar os juros tem sido medida acertada, porém insuficiente. Não adianta consertar uma peça, se toda a engrenagem está falha.
O que tem acontecido é que as medidas necessárias chegam com atraso. Muitas vezes só são tomadas quando o problema já se manifestou ou o desequilíbrio fez novas vítimas pelo caminho. O melhor a fazer seria aproveitar o que há de bom, como a queda dos juros, para estruturar um plano geral para sustentar o desenvolvimento do país. Mas, hoje, isso é apenas uma possibilidade distante.
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s