Entrevista coletiva senador Aécio Neves


Senador Aécio Neves, PSDB, critica criação de 90 cargos em comissão ligados à Presidência e denúncias de corrupção no governo federal.
Data: 28-11-12
Local: Brasília – DF 
Mesmo com o recente escândalo, o governo federal continua criando cargos?
Senador Aécio Neves: É absolutamente impróprio, inoportuno e inadequado esse projeto do governo que cria mais 90 cargos comissionados, portanto, de livre provimento, na Presidência da República. Me lembro que o presidente Fernando Henrique, quando deixou o governo, tinha 1,1 mil cargos subordinados diretamente à Presidência da República. O governo Lula aumentou para 3 mil o número desses cargos e a presidente Dilma já ultrapassa o número de 4 mil. 
O governo tem demonstrado que não tem nos critérios da impessoalidade, da probidade e da qualificação, os critérios adequados para essas indicações. Hoje mesmo, no plenário da Câmara dos Deputados, uma medida provisória do governo (MP 578) cria 8.240 cargos, sendo 135 de livre provimento. Ao invés de o governo prezar pela eficiência, ao invés de o governo fazer um remanejamento de cargos ou até mesmo a diminuição do seu número, ele acha que a lógica correta é do inchaço do Estado, de um peso cada vez maior nas costas do contribuinte. 
O governo do PT não tem demonstrado autoridade para a indicação desses cargos e muito menos para proposições como essa, que incham cada vez mais a máquina pública.
Senador Aécio Neves: Há uma semana, foram cerca de 140 cargos criados pelo governo, agora mais 90 e, na semana que vem, provavelmente, estaremos criando mais cerca de 200 outros cargos. Não é admissível em um país que quer ser moderno e eficiente que a máquina pública seja tão pesada. O Brasil tem hoje 39 ministérios. A terceira economia do mundo, a Alemanha, tem 16 ministérios. A vizinha Argentina tem 17 ministérios. O Chile, 22. Essa lógica do PT de ampliar o peso da máquina pública para atender aos companheiros não tem servido ao Brasil, que cresce a taxas irrelevantes, como crescerá esse ano e, para vergonha dos brasileiros, vê sucessivos escândalos, exatamente protagonizados, em vários momentos, por ocupantes desses cargos em comissão.
Senador, essa questão da AGU, tráfico de influência, como o senhor vê tudo isso?
Senador Aécio Neves: Com enorme tristeza. O país está estarrecido, porque pessoas intimamente ligadas ao poder não apenas ocupam esses cargos em benefício pessoal, para ter ali um salário – o que já seria questionável –, mas para traficar influência. Quem diz isso não somos nós, da oposição. Quem diz é a Polícia Federal.
O governo deveria dar em primeiro lugar exemplos de qualificação para aqueles que buscam ocupar esses cargos, exemplos de preocupação com a moralidade pública, antes de propor ao Congresso Nacional sucessivos novos cargos e, portanto, um peso cada vez maior da máquina pública. Apresentei um voto em separado que, infelizmente, a maioria obediente do governo derrotou.
Provavelmente teremos no plenário do Senado na próxima semana de mais um volume injustificável de cargos públicos. Hoje, repito, só os cargos diretamente ligados à Presidência da República são cerca de quatro vezes maiores daqueles que existiam no governo do PSDB. Se isso tivesse gerado eficiência, tudo bem. Mas não. Tem gerado apenas escândalos.
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s