Cesta básica: Dilma copiará ação do Choque de Gestão de Aécio Neves

Cesta básica: Dilma copiará ação do Choque de Gestão de Aécio Neves
Choque de Gestão de Aécio Neves será copiado por Dilma

Choque de Gestão: Anos depois de Aécio Neves baixar e até zerar impostos da cesta básica em MG, Dilma resolve fazer o mesmo

Dilma Rousseff passou anos aumentando impostos dos combustíveis, manipulando o Imposto sobre Produtos Importados (IPI) para ajudar as montadoras multinacionais e, ao mesmo tempo, chegou a vetar artigo de projeto aprovado no Congresso Nacional para reduzir a carga tributária que o cidadão comum pagava sobre os produtos da cesta básica. Poderia ter feito o que Aécio Neves fez no Choque de Gestão: diminuiu e até zerou impostos de aproximadamente 200 produtos da cesta básica e materiais de limpeza, de higiene, de construção e escolares.

Agora, em véspera de ano eleitoral e sentindo sua reeleição ser ameaçada, Dilma Rousseff anuncia que fará o mesmo que Aécio Neves havia feito em Minas Gerais entre 2003-2009. Mas é bom lembrar que, em meados do ano passado, a própria presidente vetou o artigo 77 da Medida Provisória transformada na Lei 12.715, que tratava da redução de impostos federais sobre produtos da cesta básica.

Naquele momento em que as eleições ainda não povoavam o imaginário do PT, Dilma poderia ter se sensibilizado. Levantamentos apresentados pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) mostravam que 70% das famílias brasileiras gastavam 30% de toda a sua renda com alimentação.

Quando Dilma Rousseff se negou a aprovar a redução dos impostos federais na cesta básica, dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostravam que a carga tributária sobre alimentos representava, em média, 1/5 de seu custo final, como por exemplo, no caso do óleo de cozinha (26,05%), do arroz e feijão (17,24%), do leite (18,65%) e do pão (16,86%).

Se a petista tivesse se inspirado no Choque de Gestão de Aécio Neves e do PSDB, o cenário seria outros. Isto porque, em Minas Gerais, após a redução histórica de impostos em cerca de 200 produtos, foi eliminada a cobrança do Imposto sobre circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de itens como o feijão, leite e farinha de mandioca.

Como se pode ver, em véspera de eleição, para o PT vale tudo. Inclusive copiar a redução de impostos que se tornou bandeira do PSDB em Minas Gerais já há quase uma década, quando da implantação do Choque de Gestão por Aécio Neves.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s