Grandes cidades se espelham em Choque de Gestão deS Aécio Neves

Senador Aécio Neves: Choque de Gestão


Normal
0

false
false
false

PT-BR
JA
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Table Normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:Calibri;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Grandes cidades brasileiras querem importar soluções inovadoras do
Choque de Gestão de Aécio Neves para suas administrações municipais
Instituições internacionais de fomento, países emergentes e
estados brasileiros já buscaram cases
de sucesso em administração pública gerados pelo Choque de Gestão, implantado
por Aécio Neves em Minas Gerais e mantido pelo atual governador Antonio
Anastasia. Agora, são grandes metrópoles brasileiras que querem adaptar o
modelo de gestão inovador às suas realidades locais.
 
Ao final do ano passado, prefeitos de dez grandes cidades das regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul, que juntas representam uma
população de aproximadamente 10 milhões de pessoas (Manaus, Belém, Teresina,
Maceió, Salvador, Campinas, Itaguaí, Blumenau, Pelotas e Viamão), estiveram em
Belo Horizonte para conhecer de perto as experiências do Choque de Gestão.
 
Agora, numa segunda
etapa, as próprias administrações municipais estão abrindo o debate local para
possam discutir as formas como o Choque de Gestão poderá atuar sobre as
realidades locais. É o caso de Manaus, que levou o governador Antonio Anastasia
para que falasse mais detalhadamente sobre as três etapas do modelo inovador
implantado por Aécio Neves em 2003 e mantido até hoje em solo mineiro.
 
“Na primeira fase, alcançamos o equilíbrio fiscal, o ‘déficit
zero’, estabelecemos acordos de resultados e elaboramos uma carteira de
projetos estruturadores. No segundo momento, criamos o Estado para Resultados,
com a consolidação da qualidade fiscal do Estado, foco nos resultados
finalísticos e na consolidação institucional da cultura de resultados. Agora,
com o Gestão para a Cidadania, priorizamos a transparência de ações e o novo
modelo de governança pública com a participação do cidadão, o Estado formado em
Redes, além do fortalecimento setorial da gestão”
, explicou Anastasia.
 
E no desafio de
adaptar o modelo de gestão de Minas Gerais à realidade das grandes cidades, o
governador de Minas Gerais fez um importante alerta:
“já levamos o governo, através dos resultados, para perto das pessoas,
que passaram a sentir a ação do poder público. Mas isso não nos basta. É
importantíssimo que o cidadão tenha uma ação mais efetiva dentro do governo,
porque as políticas públicas só serão exitosas se tivermos o compromisso dessas
pessoas”
, destacou o governador sobre o Choque de Gestão criado há uma
década por Aécio Neves.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s